Poder Judiciário de Santa Catarina


Conciliação em Lages: pai acerta pensão atrasada e até Estado fecha acordo

    01/10/2013 17:28 Listar notícias Consultar notícias Enviar esta notícia por e-mail Visualizar a notícia anterior Visualizar a próxima notícia

   Em seu segundo dia de trabalho na comarca de Lages, o Núcleo de Conciliação do Tribunal de Justiça registrou a resolução de dois casos emblemáticos em mais uma de suas sessões itinerantes pelo interior do Estado. Inicialmente, um pai que  devia alimentos à filha menor de idade compareceu à audiência agendada, e, mediado pelo desembargador Luiz Fernando Boller, assumiu a obrigação de pagar o substancial valor de R$ 35 mil, numa única parcela.

    A proposta foi imediatamente acatada pela mãe da menina, com a extinção da ação de execução de alimentos iniciada em 2011, e, também, dos respectivos embargos, cuja sentença era contestada através de apelação cível em trâmite no TJ.  Segundo o presidente do Núcleo de Conciliação, com o acordo, ganham a criança, que finalmente pôde ter as suas necessidades atendidas, a mãe, que até então tinha que custear sozinha todas as despesas da filha, e, por fim, o pai, que além de readquirir tranquilidade moral, afastou o risco de prisão civil.

   Na sequencia, foi a vez do Estado de Santa Catarina aproveitar a possibilidade de diálogo para efetivar acordo e concordar em dar posse imediata, em sua respectiva região de classificação, a dois candidatos aprovados ainda em 2006, em concurso público para o cargo de Agente Penitenciário. Ambos, em contrapartida, renunciaram à pretendida obtenção de verbas atrasadas, salários vencidos ao longo dos últimos 7 anos, e, ainda, indenização por danos morais.

    "Através do encontro pessoal, frente a frente, os contendores constatam o que, muitas vezes, a frieza do papel oculta: a emoção humana. É alguém com dificuldades financeiras que explica a sua realidade. É um pai ressentido em não poder cumprir os seus deveres familiares, ou ainda, uma pretensão gravosa para a administração pública. Tudo isso pode ser superado com a atuação de um conciliador, treinado e capacitado para bem administrar a melhor alternativa para superar impasses, buscando a restauração da boa convivência entre os envolvidos no processo", comentou o desembargador Boller, satisfeito com os resultados alcançados nos últimos dois dias.

   Os trabalhos em Lages contam com a participação ainda do  desembargador aposentado Orli de Ataíde Rodrigues e do juiz de direito aposentado Samir Oséas Saad. As audiências seguem até às 19 horas desta terça-feira (1º/10).



Esta notícia foi acessada 3098 vezes.     


     Responsável: Ângelo Medeiros - Reg.Prof.: SC00445(JP)
     Textos: Angelo Medeiros, Maria Fernanda Martins, Daniela Pacheco Costa, Sandra de Araujo e Americo Wisbeck.




Copyright © 2008 Poder Judiciário de Santa Catarina. Todos os direitos reservados.